Missões na África: uma necessidade urgente

Reinos que nunca ouviram o Evangelho estão abrindo as portas, sedentos pela Palavra de Deus.

FONTE: MINISTÉRIO ENGEL

ATUALIZADO: 14 de novembro de 2018

FacebookTwitterWhatsApp

Quando estive pela primeira vez no continente africano, imaginava que aquela altura o continente já estava bastante evangelizado, pois muito ouvimos falar sobre as experiências dos missionários naquela região. Mas para a minha surpresa, ainda há muitos reinos que nunca conheceram a Jesus Cristo.

Isso me fez perceber o quanto às missões estão esquecidas pela Igreja, pois eu estava sendo recebido naquele lugar como um príncipe de Deus, cuja mensagem trazia esperança para os habitantes da região. Mais do que isso, eles tinham a necessidade de uma adoção espiritual e me pediram para ser o “pai da África”.

Deparei-me com reis sedentos pela Água da Vida (João 7.37-38), como o rei de Iteso, que abriu as portas para que cada uma das mais de 3 milhões de almas de seu reino sejam evangelizadas. Isso se repetiu no reino dos massais, onde mais de 8 milhões de almas desconhecem o Evangelho de Jesus Cristo.

Participei também de um congresso em Kampala, capital de Uganda, onde diversos reis e autoridades governamentais clamaram para que seu povo fosse alcançado pela Palavra de Deus. Por isso implantamos uma extensão da Escola Profética Unção de Elias em cada uma destas localidades.

Por conta desta minha experiência, hoje eu vejo como um momento divino o despertar para as missões no continente. Acredito que o momento que o Brasil está vivendo, seja um momento de despertamento para o envio de missionários, acolhimento das necessidades do povo, contribuição com essa obra tão carente.

Missões

“E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.” (Marcos 16.15 e 16)

Um dos principais chamados da Igreja é fazer missões, pois identificamos como a “A Grande Comissão”, ordenada por Jesus. A cada dia em que se aproxima a vinda de Jesus, existe a necessidade de anunciar as “boas novas”, que é o Evangelho da Graça.

Atender esse chamado é o primeiro passo que devemos dar como Igreja. Não podemos fugir da responsabilidade desta missão, conforme está escrito: “Não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê: primeiro do judeu, depois do grego” (Romanos 1.16).

E nós somos enviados por Jesus Cristo para estar no campo missionário anunciando tudo aquilo que Ele ensinou. A Bíblia diz: “Paz seja com vocês! Assim como o Pai me enviou, eu os envio” (João 20.21). Afinal, muitos estão com os corações abertos para ouvir a verdade sobre o Reino dos Céus.

“Anunciem a sua glória entre as nações, seus feitos maravilhosos entre todos os povos!” (Salmos 96.3)

Projeto Daniel

Eu creio que a ajuda humanitária é um requisito indispensável para o avanço dos missionários no campo, pois é impossível para o cristão ficar indiferente as mazelas enfrentadas pelas pessoas a sua volta. É isso que senti quando estive no continente africano.

A enorme necessidade com que passam as crianças daqueles países, muitas com suas vidas sentenciadas a morrer antes dos 5 anos de idade, me fez criar o Projeto Daniel, com o objetivo de oferecer ajuda humanitária, através da assistência financeira para acolhimento básico, saúde, alimentação e apoio espiritual.

O Senhor então me despertou para orar pelas missões nos países da África. Fui levado pelo Eterno a levantar um clamor em favor das vidas tão sofridas daquele lugar. E, assim como diz a Palavra de Deus: “A colheita é grande, mas os trabalhadores são poucos. Portanto, peçam ao Senhor da colheita que mande trabalhadores para a sua colheita” (Lucas 10.1 e 2).

Se houvesse disponível para trabalhar no Projeto Daniel mil missionários, ainda assim seriam poucos para atender um número tão grande de pessoas carentes por discipulado e aprendizado na Palavra de Deus. E, por isso, temos buscado apoiar outros projetos, como o Missão Mãos Estendidas (MME), apresentado pelo diretor do Portal Guiame, Marcos Corrêa.

O despertar deste comunicador cristão para as missões já é uma resposta de Deus para mim, pois ele se dispôs a viajar ao continente africano e mostrar as dificuldades enfrentadas pelas crianças daquela região, com o propósito de levantarmos ajuda para estes dois projetos que atuam juntos.

Eu oro a Deus para que através do exemplo destes que se dispuseram a fazer missões, outras possam se despertar. Assim como o Portal Guiame, que outros portais possam apoiar, divulgar e participar dos trabalhos missionários. Nosso desejo é alcançar todos os países da África, assim como de outras regiões do mundo.

 

 

FacebookTwitterWhatsApp

COMENTÁRIOS