PT quer punir pastores que fazem discurso “pró-Bolsonaro” em suas igrejas

Partido acusa líderes cristãos de estarem usando suas igrejas para pedir votos para Jair Bolsonaro (PSL).

FONTE: MINISTÉRIO ENGEL, O ESTADO DE SÃO PAULO

ATUALIZADO: 10 de outubro de 2018

FacebookTwitterWhatsApp

O Partido dos Trabalhadores (PT) quer que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) puna líderes evangélicos que façam discurso “pró-Bolsonaro” em suas igrejas. Segundo o jornal “O Estado de São Paulo”, o partido pediu “maior rigor” contra pastores que estariam usando suas igrejas para pedir votos para Jair Bolsonaro (PSL).

A cúpula do PT usa como argumento a matéria veiculada pelo jornal cristão “Mensageiro da Paz”, da Igreja Evangélica Assembleia de Deus, a maior denominação do país, que apresentou uma tabela comparando o que pensa cada presidenciável sobre temas sensíveis para a Igreja.

Nesta tabela o candidato do Partido Social Liberal é o único que se posiciona contra o aborto, casamento gay, liberação das drogas e ideologia de gênero. Como a edição do Mensageiro da Paz saiu no início de setembro, o nome de Fernando Haddad não aparece, pois ele ainda não havia sido oficializado como candidato do PT.

Tabela do jornal Mensageiro da Paz, da Assembleia de Deus. (Foto: Reprodução/Estadão)

O candidato Jair Bolsonaro conquistou o apoio de diversos líderes cristãos no primeiro turno, pois seus posicionamentos refletem aquilo que os líderes acreditam ser fundamental para uma nação temente a Deus. No entanto, esse apoio causou indignação no Partido dos Trabalhadores.

Para o apóstolo Joel Engel, que nos últimos meses vem alertando a respeito da postura do PT, a iniciativa do alto escalão do partido demonstra o desespero, pois eles já perceberam que o voto evangélico é capaz de tirar a hegemonia do partido no país.

“Eles já perceberam que os pastores vão mudar o resultado das eleições em favor do candidato do PSL, colocando fim a hegemonia política deste partido. Por isso, eles estão desesperados”, comentou o apóstolo.

Com essa postura do partido que esteve no poder nos últimos 13 anos, o apóstolo questiona o fato de o partido estar sendo seletivo, pois existem líderes cristãos a favor de Fernando Haddad, candidato do PT. “Eu pergunto: E os que estão a favor do Haddad, eles vão querer punir? E as escolas, professores, universidades que falam a favor do PT?”, questionou.

Muitos dos líderes cristãos apoiaram candidatos contrários ao PT, principalmente devido a sua inclinação ideológica, que constantemente entra em conflito com valores defendidos pela Igreja. A simpatia do partido pela ideologia comunista é uma das causas do apoio maciço em favor de Bolsonaro.

É o alerta que o apóstolo Joel Engel tem feito a respeito do Partido dos Trabalhadores, que constantemente manifesta seu apoio a regimes totalitários, como é o caso da Venezuela, onde o apóstolo Joel esteve em 2009, mas foi impedido de alertar a Igreja sobre o presidente Hugo Chávez.

Quanto ao pedido do partido, o ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Marcelo Ribeiro acredita que o fato de o tema ser novo no direito eleitoral, é preciso considerar aquilo que pode caracterizar “abuso do poder religioso”.

Propaganda Eleitoral

O Partido dos Trabalhadores já se utilizou de livros didáticos nas escolas para fazer propaganda. Em 2008, livros distribuídos pelo Ministério da Educação para crianças do Ensino Fundamental reproduzia texto do Instituto de Cidadania do PT, elaborado em 2001, sobre o programa Fome Zero, lançado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Fernando Haddad, que era ministro da educação naquela época, afirmou que não considerava o livro uma propaganda. Naquele ano ele foi questionado porque o Programa Nacional do Livro Didático 2008 previa a exclusão de obras que faziam referência à propaganda político-partidária.

Recentemente, o Partido dos Trabalhadores foi acusado de fazer propaganda ideológica nas universidades através da União Nacional dos Estudantes (UNE). A ligação de lideranças da organização com a cúpula do PT nunca foi encoberta.

Reação

O apóstolo Joel Engel está reunindo líderes de todo o país para se unirem em seus estados e cidades, a fim de se posicionarem. Ele orienta para que os pastores não se calem, pois vivemos em um país onde ainda é possível falar a verdade.

“Nossa bandeira é a verdade, por isso precisamos nos unir em todo o país, levantando, pois se nos calarmos agora, depois poderá ser tarde demais”, alertou o apóstolo.

 

FacebookTwitterWhatsApp

COMENTÁRIOS