Supremo Tribunal dos EUA se recusa a atender recurso contra aborto

FONTE: Ministério Engel

ATUALIZADO: 15 de janeiro de 2014

FacebookTwitterWhatsApp

Na última segunda-feira, 13/01, a Suprema Corte dos Estados Unidos se recusou a ouvir o apelo feito pelo Estado do Arizona contra o aborto após 20 semanas de gestação. A decisão foi tomada em primeira instância e julgou a possibilidade de uma proibição do aborto inconstitucional.

Os juízes do Supremo Tribunal Norte-Americano se recusaram a dar razão aos manifestantes pró-vida e afirmou que não irá rever o caso.

Em maio de 2013, o Circuito de Recursos dos EUA decidiu em San Francisco que a proibição para o Arizona em abortos após 20 semanas de gravidez violou os precedentes legais estabelecidos em 1973 e seria, portanto, “inconstitucional”.

 

O governador do Arizona, Jan Brewer assinou uma lei que consta a proibição em 2012. O termo foi considerado uma das peças mais rigorosas da legislação pró-vida no país, permitindo a prática – aborto após 20 semana de gestação – apenas em caso de emergências médicas.

O porta-voz do governador, Andrew Wilder publicou um comunicado oficial na última segunda-feira, condenando a decisão da Suprema Corte em não ouvir o apelo feito pelo Arizona e classificou a atitude como uma “uma violação clara sobre a autoridade dos Estados para implementar leis de afirmação da vida críticos”.

“O governador Brewer vai continuar a lutar para proteger as mulheres do Arizona , famílias e nossa população mais vulnerável : as crianças que ainda não nasceram “, declarou.

Para Marjorie Dannenfelser, presidente do comitê de ação política “Susan B. Anthony Lista”, o tempo de 20 semanas já é considerado tardio para um aborto.

“Vinte semanas é mais do que a metade da gravidez e é um ponto em que os bebês têm todos os seus órgãos, podem ouvir e responder às vozes da mãe e podem até mesmo sentir dor. Um número crescente de americanos simplesmente rejeita o horror do aborto tardio e acredito que uma razoável linha deve ser desenhada. A Corte errou claramente. A lei deve refletir o nosso recuo natural a partir deste tipo de brutalidade”, disse.

Com informações do ChristianPost.com

*Tradução por João Neto

 

Fonte: Guiame

FacebookTwitterWhatsApp

COMENTÁRIOS