O derramar do Espírito Santo no Dia de Pentecostes

“Cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar; e, de repente, veio do céu um som como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados”. Atos 2:1-2

FONTE: MINISTÉRIO ENGEL

ATUALIZADO: 19 de maio de 2018

FacebookTwitterWhatsApp

“E há de ser que, depois derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões.” (Joel 2.28)

Após a morte e ressurreição de Jesus Cristo, Ele orientou os discípulos para que ficassem em Jerusalém até que eles recebessem a promessa do Pai Celeste, o Espírito Santo (Lucas 24.49). Jesus ascendeu aos céus 40 dias depois de Sua crucificação e o Espírito Santo foi enviado 10 dias após sua ascensão, no Dia de Pentecostes, data que celebramos neste dia 20 de maio.

Em Atos 2, versículos 1 e 2 diz: “Cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar; e, de repente, veio do céu um som como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados”.

Aquele acontecimento era a concretização do que havia sido dito pelo profeta Joel, que falou de um tempo em que o Espírito Santo seria derramado sobre toda a carne (Joel 2.28b). Homens e mulheres, jovens e crianças, idosos, filhos e filhas, todos receberiam o Espírito e a capacitação para profetizar, sonhar e ter visões espirituais.

A palavra Pentecostes é uma palavra grega que significa “quinquagésimo”, pois é celebrada 50 dias depois da Páscoa, outra festa importante para os israelitas. O Dia de Pentecostes também é conhecido como Festa das Semanas (Levítico 23.25 e 16), porque acontece sete semanas depois da Páscoa, ou também Festa da Colheita, por celebrar o início da colheita do ano vigente (Números 28.26).

Na Festa de Pentecostes o povo israelense agradece a Deus pelo alimento, sendo marcada principalmente pelas ofertas que eram entregues a Deus após a primeira colheita do ano. E é neste dia de celebração em Jerusalém que os discípulos recebem o Espírito Santo, cumprindo a promessa de Jesus Cristo.

Enquanto a maioria dos judeus estava em Jerusalém para comemorar o Pentecostes, o Espírito Santo era derramado sobre os discípulos de Jesus Cristo e as demais pessoas que se reuniram naquele momento em oração, cumprindo as profecias de Joel (Joel 2.28 e 29) e João Batista (Lucas 3.16).

Esse derramamento espiritual era algo que foi almejado até mesmo por Moisés, que em Números 11.29 disse: “Quem dera que todo o povo do Senhor fosse profeta, e que o Senhor pusesse o seu espírito sobre ele!”. Este anseio do grande líder estava se concretizando através da vida dos discípulos de Jesus Cristo.

É muito provável que os mesmos 120 que estavam reunidos para a assembleia que escolheu Matias para substituir Judas como um dos doze discípulos (Atos 1.15), tenham sido os que receberam o Espírito Santo. É para eles que o som do vento se manifesta e a partir dali a vida de cada um mudaria para sempre.

Primeiro o Espírito se manifestou através de um som como de um vento, derramando em seguida labaredas de fogo sobre aquelas pessoas, transformando suas vidas por completo. Até aquele momento eles não sabiam o que esperar, apenas estavam obedecendo a ordem de Jesus Cristo, de que deveriam ficar em Jerusalém para receberem o poder.

O que aconteceu naquele lugar, através do derramar do Espírito Santo, fez eclodir no coração daquelas pessoas o desejo por espalhar o Evangelho de Jesus Cristo por todos os lugares. Aqueles homens e mulheres nunca mais foram os mesmos, pois passaram a ser conduzidos em todas as áreas de suas vidas.

Ainda hoje temos disponível a presença do Espírito Santo, o Consolador enviado pelo Pai Celeste, que nos ajuda a superar todas as dificuldades da vida, além de nos capacitar para a realização da obra de Deus. Devemos aprender a confiar naquele que recebeu a missão de ser o Guia da Igreja.

FacebookTwitterWhatsApp

COMENTÁRIOS