Movimento Acorda Senado chama a atenção dos parlamentares e obtém resposta.

A iniciativa foi denominada “Movimento Acorda Senado”.

FONTE: Ministério Engel

ATUALIZADO: 15 de abril de 2021

FacebookTwitterWhatsApp

Nesta quinta-feira (15) os cristãos se levantaram como um gigante para transmitir aos líderes governamentais a mesma mensagem que Deus falou para Faraó, há milhares de anos: “Deixe o meu povo ir”! De fato, o povo de Deus se uniu e conseguiu chamar a atenção das diversas lideranças políticas. Vindas de todas as partes do Brasil, milhares de mensagens chegaram aos senadores via WhatsApp, pedindo urgência aos parlamentares na aprovação da PEC do Judiciário, de autoria do senador governista Marcos Rogério (DEM-RO). Muitos deles responderam positivamente ao apelo nacional, inclusive propondo caminhos mais ágeis para viabilizar a votação da PEC. Isso demonstra o sucesso do movimento.

“Já tendo relatório pronto e do Senador Anastasia, fica mais rápida a apreciação e ela já pode ser colocada na ordem do dia. Eu tenho feito esse apelo ao Presidente Rodrigo Pacheco, quem sabe agora, com uma pressão maior, ele possa colocar”, respondeu o Senador Álvaro Dias.

A iniciativa foi denominada “Movimento Acorda Senado”. Lideranças políticas, sociais, cristãs e intelectuais, empresários e cidadãos estão, desde o início desta manhã, mandando as mensagens para os celulares dos senadores. Nelas o apelo era o mesmo: A aprovação da PEC que autoriza o Congresso a frear os abusos do Poder Judiciário, principalmente do Supremo Tribunal Federal (STF).

O Apóstolo Joel Engel, fundador e membro do CONALIC (Conselho Nacional de Líderes), mobilizou seus representantes em todos os estados do território nacional para também mandarem as mensagens. Engel elogiou o movimento e viu nele uma resposta de Deus às injustiças ocorridas nos últimos dias: “Os líderes de Deus, à exemplo de Moisés, lutaram pelo direito do povo massacrado no Egito, castrado pelo governo daquela Época, sendo privado do seu direito de ir e vir, o direito à vida e à propriedade. É isso que temos visto acontecer em nossa nação. Os líderes estão lutando para salvar o povo destes decretos inconstitucionais. Esperamos que tenhamos o apoio do Senado. O ativismo do STF precisa ser freado”, disse Engel, lembrando que o papel da Igreja vai muito além das reuniões de celebração: “A Igreja alimenta os doentes, as crianças, os idosos e nós temos o direito adquirido pela constituição federal de trabalharmos, mas esse direito foi cerceado pelo STF e nós estamos lutando por ele. Imaginamos que todos os senadores deveriam lutar em defesa do povo também”.

O Apóstolo Renê Terra Nova do MIR, no Amazonas, está apoiando o movimento e também deixou o seu recado nas redes sociais: “Não podemos deixar que o STF continue, monocraticamente, tomando as decisões pelo Brasil, anulando o executivo, o congresso e o senado. Por isso, eu gostaria que você entrasse conosco nessa campanha”.

O Bispo Wilton Acosta (coordenador do movimento Acorda Senado) ficou feliz com a adesão ao movimento e disse que ele não se acaba na ação de hoje: “Fizemos um barulho nesse país! Nós começamos, estamos apenas no início e nós vamos centralizar as nossas forças agora nas mídias sociais. Quero agradecer pela mobilização dos estados e lideranças que estão aderindo agora ao movimento. Não podemos parar! Vamos continuar firmes! Temos a notícia de vários senadores assinando e até amanhã a gente sabe quantos de fato assinaram o requerimento e aí vamos encaminhar os outros projetos”, incentivou o pastor.

Nesta sexta-feira o movimento vai continuar, desta vez através das Redes Sociais, lançando um manifesto e mobilizando a imprensa para que mais pessoas possam aderir ao movimento.

Siga o movimento no Instagram @acordasenado.

FacebookTwitterWhatsApp

COMENTÁRIOS