Corona crente

Um vírus que mata milhares de pastores diariamente, há anos. 

FONTE: Ministério Engel

ATUALIZADO: 21 de julho de 2020

FacebookTwitterWhatsApp

Desde março temos vivido em meio a uma pandemia que abalou as estruturas mundiais. Em todos os meios de comunicação não têm mais outro assunto, a não ser a praga que tomou conta de pessoas de todas as idades, credos, raças e classes sociais. Porém, há muitos anos vivemos uma pandemia silenciosa, que tem acometido especialmente os servos de Deus, líderes, pastores, apóstolos e profetas. Estou falando do vírus da indiferença, da desonra, que vem de pessoas próximas, que convivem conosco. São elas quem nos contaminam e acabam adoecendo a muitos.

Instrumentos de bênção e de cura.

Na Bíblia encontramos muitas pessoas que foram usadas por Deus para abençoar servos de Deus. O próprio profeta Elias, em certa época de sua vida, não tinha o que comer. Quando secou o riacho do Querite, ele bateu na casa de uma viúva em Sarepta, e aquela mulher lhe entrega o último pedaço de pão, feito com a última farinha que ela tinha. Isso gerou uma bênção sem precedentes para aquela família. Além de comida, o profeta recebeu abrigo naquela casa. Aquela viúva foi um instrumento de Deus para abençoar o profeta, para curar a sua alma.

Outro exemplo que podemos citar é o da sunamita. Ela via o profeta Eliseu por ali, sempre de passagem e resolveu, junto com seu marido, abençoar o profeta: construiu um quarto para ele passar as noites, quando estivesse viajando por aquelas terras. Deus a recompensou, realizando o seu sonho de ter um filho. Depois de alguns anos, aquela criança morre e o profeta ora, ressuscitando o menino. Depois vem uma praga de 7 anos, pior que o coronavírus, que destruiu a terra. Mas Deus preservou aquela mulher, que abençoou o profeta quando ele mais precisava.

Quando alguém ajuda, abençoa, honra um profeta, ela tem todas as características de alguém que ama de verdade. São pessoas especiais, com características de príncipe, que podem esperar o melhor de Deus para as suas vidas. Deus não fica devendo nada a ninguém.

Às vezes, muitos colegas de ministério se frustram na caminhada por que são esquecidos e até desonrados. Muitos não comemoram, por exemplo, o dia do pastor, pois é constrangedor ser esquecido, tanto para o pastor quanto para as ovelhas esquecidas. Sofremos e choramos pela falta de reconhecimento, pois isso atrai maldição para aqueles que foram servidos por tantos anos, tiveram suas feridas lavadas, cuidadas pelo seu pastor e depois demonstram total indiferença a tudo o que ele e a família pastoral fizeram.

Há muitos anos a região de Santa Maria (RS) era conhecida como “mata pastor”, “cemitério de pastores”, pois aqui muitos fracassaram. Não resistiram à falta de amor, de carinho, de reciprocidade. Quando eu cheguei aqui, vi pastores indo embora, amaldiçoando a cidade. E de fato, em todos os lugares existem pessoas que querem destruir pastores. São como vírus em forma de gente, que entram em nossa vida, sugam as nossas energias, nos adoecem, até nos matar. Podemos chamá-los de “coronacrentes”.

Temos observado, durante a pandemia, que muitos crentes abandonaram os seus pastores, como se não fizessem mais parte da Igreja. Temos recebido muitos pastores que estão sofrendo com a falta de tudo, até de alimento em suas casas. Mas em meio a dias tão difíceis, quando um profeta não pode se queixar, nem demonstrar as dificuldades, o Espírito Santo manda bálsamo e cura através de pessoas. Receber o carinho dos irmãos, sem esperar, aquece o nosso coração, além disso, libera algo dos céus, conduzindo-os a lugares mais altos, mais perto de Deus.

Não seja um “coronacrente”! Seja a cura, o bálsamo para o seu pastor. Deus irá te honrar muito mais do que você imagina. Os sacerdotes têm um poder concedido por Deus, de receber um presente, entregá-lo para o Senhor e perguntar ao ofertante: “o que queres?” O sacerdote levanta a mão direita e diz: “que assim seja!”. Tanto a pessoa que presenteia, quanto a pessoa que é abençoada, recebem o aval de Deus.

Se você deseja se tornar um príncipe ou uma princesa do Senhor, sendo um instrumento para abençoar a obra de Deus, deseje abençoar os seus líderes, honre os seus pastores, respeite-os, fale bem deles, oferte, abençoe, ligue, dê atenção. Faça esse voto de honrar seus pastores e Deus vai te prosperar, pois Ele ama quem gosta de presentear.

Quem recebe um profeta em qualidade de profeta, receberá galardão de profeta; e quem recebe um justo na qualidade de justo, receberá galardão de justo.
E qualquer que tiver dado só que seja um copo de água fria a um destes pequenos, em nome de discípulo, em verdade vos digo que de modo algum perderá o seu galardão. 
Mateus 10: 41,42 

FacebookTwitterWhatsApp

COMENTÁRIOS