“Trump cumpriu uma profecia bíblica”, diz juíza sobre embaixada dos EUA em Jerusalém

Jeanine Pirro destacou o significado bíblico da inauguração dos EUA em Jerusalém.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA CBN NEWS

ATUALIZADO: 16 de Maio de 2018

FacebookTwitterWhatsApp

A juíza e apresentadora da Fox News, Jeanine Pirro, disse que a inauguração da nova embaixada dos EUA em Jerusalém na segunda-feira tem um significado bíblico.

″Donald Trump reconheceu a história que ele, como o rei Ciro antes dele, cumpriu a profecia bíblica dos deuses adorados por judeus, cristãos e, sim, muçulmanos, que Jerusalém é a capital eterna do Estado judeu e que o povo judeu finalmente merece um Israel, justo, livre e soberano”, disse Pirro, que tem seu próprio programa na rede de notícias, em um artigo de opinião para o site no fim de semana.

Chamando a inauguração da embaixada dos EUA em Jerusalém de “momento verdadeiramente histórico para Israel”, Pirro disse que a decisão de Trump de mudar a instalação de Tel Aviv para a cidade judaica bíblica foi “motivo de grande celebração” e envia uma mensagem clara a Israel e ao resto do mundo com a nação judaica.

“Trump assegurou ao mundo que sua palavra vale mais que as dos ex-presidentes dos EUA, como Bill Clinton, George W. Bush e Obama, todos os quais prometeram levar a embaixada americana a Jerusalém”, escreveu Pirro. “Sua palavra vale mais do que qualquer tratado e mais forte que qualquer resolução da ONU. Ele prometeu e cumpriu”.

A comparação de Trump como o rei Cyrus também estava na mente do primeiro-ministro de Israel durante sua visita à Casa Branca no início de março.

A tradição judaica acredita que Deus usou o rei pagão Ciro para ajudar os judeus a retornarem à Terra de Israel de seu exílio na Babilônia e reconstruírem o Segundo Templo.

2 Crônicas 36:23 descreve o seu papel: “Isto é o que Ciro, rei da Pérsia diz: ‘O Senhor, o Deus do céu, me deu todos os reinos da terra e Ele me designou para construir um templo para ele em Jerusalém em Judá. Qualquer um dentre o seu povo pode subir e que o Senhor, o seu Deus, esteja com eles”.

Durante sua visita à Casa Branca, que aconteceu pouco depois que o presidente Trump anunciou sua intenção de mudar a embaixada, Netanyahu comparou o presidente a Harry Truman, lorde Balfour e o rei Ciro.

“Quero dizer-lhes que o povo judeu tem uma longa memória, por isso nos lembramos da proclamação de ‘Ciro, o Grande’, o rei persa, há 2.500 anos”, disse Netanyahu em observações preparadas.

“Ele proclamou que os exilados judeus na Babilônia poderiam voltar e reconstruir nosso Templo em Jerusalém. Lembramos há cem anos, lorde Balfour, que emitiu a Proclamação Balfour, reconhecendo os direitos do povo judeu em nossa pátria ancestral. Nós nos lembramos de 70 anos atrás, quando o presidente Harry S. Truman foi o primeiro líder a reconhecer o Estado judeu e lembramos como há algumas semanas, o presidente Donald J. Trump reconheceu Jerusalém como a capital de Israel. Sr. Presidente, isso será lembrado por nosso povo através das eras”.

Um sentimento também ecoou pelo ex-embaixador israelense na ONU, Dore Gold, que disse à CBN News que “Jerusalém já é a capital do povo judeu há 3.000 anos”.

“Este é o tema que está em nosso DNA espiritual e, portanto, quando o presidente dos Estados Unidos transfere a embaixada dos EUA para Jerusalém e reconhece Jerusalém como a capital de Israel, ele está abordando algo no cerne da identidade judaica”, disse Gold à CBN News.

Gore disse ainda a Mitchell que o movimento da embaixada de Trump pode ser comparado ao do rei bíblico.

“Esse foi um ato de caridade enorme de sua parte, que está em nossa memória histórica e o fato de que agora o presidente Trump vai mover a embaixada dos EUA para Jerusalém o coloca em uma categoria especial e talvez até mesmo a categoria com o antigo rei Ciro da Pérsia”, acrescentou Gore.

FacebookTwitterWhatsApp

COMENTÁRIOS