Adolescente sobrevive a 10 horas no oceano após clamar a Deus: “Orei a noite inteira”

Blake Spataro, de 19 anos, foi puxado por uma correnteza para o fundo do mar, mas sobreviveu de maneira milagrosa.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA FOX NEWS

ATUALIZADO: 17 de julho de 2018

FacebookTwitterWhatsApp

Blake Spataro sobreviveu quase 10 horas no Oceano Atlântico, depois de ser levado para o mar. (Foto: Amber Krycka/Twitter)

Um adolescente que estava passando férias em St. Simon Island, na Geórgia (EUA), sobreviveu milagrosamente depois de passar quase 10 horas sozinho no oceano, após ser pego por uma correnteza e arrastado para o mar.

Blake Spataro, de 19 anos, estava na parte rasa do mar na última terça-feira (10) quando foi repentinamente puxado para o Oceano Atlântico. Ele tentou gritar por ajuda, mas ninguém o ouviu.

“Eu não queria morrer lá. Eu fiquei conversando com Deus a noite inteira”, disse Blake a WJAX-TV.

A mãe do adolescente, Janice Spataro, disse nas redes sociais que Blake “permaneceu calmo e sabia que poderia morrer, então orou a Deus e entregou sua vida à vontade de Deus”.

O adolescente passou quase 10 horas no mar enquanto a Guarda Costeira dos EUA e sua família estavam juntos em uma operação de busca.

Blake conta que quando se cansava, ele começava a flutuar de costas. Quando estava prestes a desistir, viu as luzes do navio da Guarda Costeira nas proximidades e teve forças para nadar até a costa a poucos quilômetros de St. Simon.

“Eu queria viver. Eu achava que era jovem demais para morrer e simplesmente não queria terminar aqui”, disse Blake. “Eu sou verdadeiramente abençoado por estar vivo hoje”.

Janice não estava na viagem com o filho, que estava acompanhado pelo pai. Quando recebeu a notícia do desaparecimento por telefone, ela teve um “pressentimento” que ele não tinha se perdido em terra.

“Eu sabia que ele estava na água. Eu senti isso”, disse Janice à Fox News. “Eu orei a Deus a noite toda. Eu estava orando e pedi oração nas redes sociais, porque há poder na oração”.

Caso único

Jay Wiggins, diretor da Agência de Gerenciamento de Emergências de Glynn, observa que já teve que dar muitas notícias ruins em seu trabalho, mas na quarta-feira ele conseguiu fazer o oposto.

“A oportunidade de falar com o pai do jovem e informar os nossos parceiros de segurança sobre o resultado positivo dessa situação mudou meu dia”, disse Wiggins em um post no Facebook.

Além da desidratação e exaustão, Blake não sofreu nenhum ferimento. Justin Irwin, chefe da Guarda Costeira dos EUA em Brunswick, visitou o rapaz no hospital e ficou orgulhoso.

“Estou na Guarda Costeira há 18 anos e nunca vi nada assim”, disse Irwin ao WJAX.

Blake ainda fez um resumo da experiência: “Piores férias de todas, mas também a mais empolgantes de todas”.

FacebookTwitterWhatsApp

COMENTÁRIOS