Saiba qual a importância do Rosh Chodesh de Kislêv

Nono mês do calendário judaico do ano 5779 é conhecido como o mês da confiança.

FONTE: Ministério Engel

ATUALIZADO: 7 de novembro de 2018

FacebookTwitterWhatsApp

Nesta quarta-feira (7) iniciamos o mês de Kislêv no calendário judaico, o nono mês dos doze que marcam o ano 5779. É o mês conhecido como o tempo de confiança, pois a palavra “Kislêv” deriva da raiz hebraica “bitachon”, que significa “confiança”.

No princípio da criação do mundo foram criados luminares nos céus para marcar os tempos, conforme está escrito na Palavra de Deus: “E disse Deus: Haja luminares na expansão dos céus, para haver separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais e para tempos determinados e para dias e anos” (Gênesis 1.14). Isso estabelece o calendário divino da criação, o calendário bíblico.

Diferente do calendário gregoriano, o calendário bíblico é marcado pela Lua, o único satélite natural da Terra. O calendário gregoriano é solar, teve a sua origem na Europa do século XV, promulgado pelo Papa Gregório XIII em 24 de fevereiro do ano de 1582 em substituição ao calendário juliano, implantado pelo líder romano Júlio César.

“O calendário tradicional de Israel é inspirado no relato da criação, que proclama que o sol e a lua foram criados por Deus para ajudar a medir o tempo e as estações. É importante entendermos isso, pois somente assim conseguiremos ter uma compreensão dos tempos proféticos de Deus”, expica o apóstolo Joel Engel em seu artigo “Os tempos proféticos de Deus”.

Segundo o apóstolo isso faz com que as festividades do calendário judaico ganhem um significado ainda maior para “aqueles que temem ao Senhor”. “Tais celebrações podem representar tempos oportunos para encontros profundos com o Eterno, segundo os desígnios da Palavra de Deus”, explica.

“Por isso, ao longo da história bíblica, nós encontramos os profetas se preparando para os tempos proféticos, estabelecidos através das festividades judaicas”, comentou o apóstolo Joel.

Rosh Chodesh de Kislêv

O início de um novo mês judaico, chamado de “Rosh Chôdesh” ou “Cabeça do Mês”, é simbolicamente uma oportunidade que Deus nos dá para iniciarmos uma nova fase na história e no destino. A cabeça do mês de Kislêv dá inicio ao período de ofertas de primícias.

“O propósito do Rosh Chodesh é que venhamos a oferecer o melhor do nossa vida ao Senhor, sendo o primeiro dia do mês um tempo de santificação, consagração, adoração e celebração”, explica o apóstolo Joel Engel.

Para o apóstolo este período de Rosh Chodesh é de celebração e entrega das ofertas de primícias, que são as ofertas mais importantes para aqueles que desejam honrar ao Todo Poderoso. Ele afirma que devem ser oferecidas as melhores ofertas para Deus.

“No primeiro dia do mês nós entregamos a oferta de primícias, seguindo a tradição de celebrar a entrada de um novo mês oferecendo o que temos de melhor para Deus”, continuou.

Neste mês judaico o apóstolo explica que há dois estados de confiança que são manifestos, um ativo e outro passivo, um representando a ação em favor do Reino de Deus e o outro a provisão divina, através da completa dependência.

“O mês traz em si dois estados de confiança, sedo o primeiro ativo, que representa nossa ação em favor do Reino, enquanto que o outro é passivo, simbolizando nossa confiança na provisão divina”, explicou o apóstolo.

A festa de Chanucá

O hebraico utiliza a palavra “moedim” para designar as festas, isso determina o tempo correto estabelecido por Deus para um encontro pessoal com o divino. Essa palavra vem da raiz hebraica “moed”, que significa “tempo determinado, lugar designado, lugar de encontro, sinal designado”.

A “Festa de Chanucá” é celebrada no mês de Kislêv e marca o descanso dos macabeus, um exército formado a partir de judeus para manter um certo controle sobre a Terra Santa para entregar as próximas gerações. Essa festa também é conhecida como “Festival das Luzes”. Essa palavra significa literalmente “inauguração”.

“As festas bíblicas, observadas pelo povo judeu, são tempos sagrados especiais, dias santos no cronograma divino, tempo em que o Senhor marcou um encontro com o homem”, lembra o apóstolo Joel.

FacebookTwitterWhatsApp

COMENTÁRIOS