Primeiro-ministro de Israel confirma presença na posse de Bolsonaro

Benjamin Netanyahu garantiu que estará no Brasil no dia em que o presidente eleito assumir o cargo.

FONTE: MINISTÉRIO ENGEL, COM INFORMAÇÕES TWITTER

ATUALIZADO: 30 de novembro de 2018

FacebookTwitterWhatsApp

(Imagem: Portal Libertar)

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, confirmou que estará presente na posse de Jair Messias Bolsonaro à Presidência da República, no dia 1º de janeiro. A informação foi confirmada nesta quinta-feira (9), garantindo a proximidade entre os dois países, que já vinha sendo reafirmada pelo presidente eleito, que por diversas vezes reuniu-se com o embaixador de Israel no Brasil, Yossi Shelley.

Uma das principais propostas de campanha de Jair Bolsonaro era justamente a retomada das relações com o país do Oriente Médio, inclusive com a promessa de que levaria a embaixada brasileira em Israel para Jerusalém, reconhecendo o status da Cidade Santa como sendo a capital indissolúvel dos judeus.

Durante os governos do Partido dos Trabalhadores (PT) os laços entre Brasil e Israel ficaram abalados, pois a política externa conduzida pelo partido beneficiava mais aos países islâmicos. A ex-presidente Dilma Rousseff chegou a rejeitar a nomeação de um embaixador do país durante seu governo, causando constrangimento para a população brasileira, que sempre valorizou o povo judeu.

Naquela ocasião o apóstolo Joel Engel decretou o fim do governo petista, afirmando que Deus estava rejeitando Dilma, assim como ela rejeitou o embaixador. A palavra foi dita diante de uma plateia de mais de 1500 pessoas que participavam da Escola Profética Unção de Elias, em Santa Maria.

“Eu quero dizer para a Dilma: assim como você rejeitou o embaixador de Israel, o Senhor Deus está te rejeitando agora e tirando de ti o poder que te foi dado, porque benditos aqueles que abençoarem Israel e malditos aqueles que amaldiçoarem Israel”, disse o apóstolo.

Mas o vínculo histórico do Brasil com Israel, que inclui o reestabelecimento do território judeu por parte de Oswaldo Aranha, o diplomata responsável por presidir a Assembleia Geral das Nações Unidas que garantiu o reconhecimento do Estado de Israel.

Quando Bolsonaro ganhou as eleições, Netanyahu foi um dos primeiros líderes mundiais a congratular o eleito: “Estou certo de que sua eleição levará a uma grande amizade entre nossos povos e um estreitamento das relações Brasil-Israel. Estamos esperando que ele [Bolsonaro] visite Israel!”, disse através do Twitter.

 

FacebookTwitterWhatsApp

COMENTÁRIOS