Festa de Chanucá: Israel celebra vitória contra os gregos

Vitória milagrosa de sacerdotes contra imposição da cultura helenística é comemorada pelos judeus.

FONTE: MINISTÉRIO ENGEL

ATUALIZADO: 2 de dezembro de 2018

FacebookTwitterWhatsApp

(Imagem: Resgate Gospel)

Neste domingo (2) inicia-se a comemoração da Festa de Chanucá, uma celebração judaica que lembra a vitória dos judeus contra o domínio helenístico, que ocorreu em 165 a.C. Essa celebração tem início no dia 25 de Kislev, no calendário judaico, com duração de oito dias, sendo que o principal aspecto da festa é a cerimônia de acender as velas toda noite.

O conflito que resultou na grande vitória judaica teve início a partir do avanço do Império Grego, desde o Egito, Oriente Médio, até a índia. Após a morte o imperador Alexandre, o grande, vários generais lutam pelo controle do Império. É quando o imperador selêucida, Antiochus Epiphanes, conquista o domínio do Oriente Médio e impõe a cultura helenista na região.

Aos judeus, ele ordena o fim das tradições religiosas, como circuncisão, a observância do Shabat, todas as restrições de comida (Kashrut), profana o Templo tonando a adoração a Zeus obrigatória naquele lugar, e estipula que apenas porcos poderiam ser sacrificados no altar. Sendo que ele mesmo, num gesto de profanação, entra no Santo dos Santos e oferece um porco como sacrifício a Zeus.

Além disso, todos os utensílios do interior e exterior do templo são retirados, e o local é transformado em mais um templo da mitologia grega. Outras regiões dominadas já haviam aceitado a cultura, filosofia e religião grega, principalmente porque já estavam familiarizados com o politeísmo. Um dos aspectos do domínio grego era a não imposição da sua região, sendo que o pensamento e os costumes helenísticos eram aceitos de maneira espontânea.

Como os demais povos admiravam a cultura grega, não foi difícil convencê-los de aderirem aos costumes religiosos observados por eles. Os judeus, no entanto, tinham os Mandamentos, estatutos e ordenanças que regiam a sua cultura e fé, o que fez com que o domínio grego em Israel tivesse de ser impositivo.

Macabeus

Quando um oficial sírio ordena que Matitiahu Há Macabí (Mateus, o Macabeu), chefe de uma família de sacerdotes do Templo, oferecesse um porco no altar, Matitiahu se revolta e juntamente com seus cinco filhos inicia uma rebelião judaica, matando o oficial e todos os seus soldados. Foram oito anos de luta do exército dos Macabeus pela libertação de Jerusalém e de Israel.

Com a morte de Matitiahu, seu terceiro filho, Yehuda Há Macabí (Judá, o Macabeu), assume o controle da revolta e leva o exército dos Macabeus à vitória sobre o exército grego-sírio no ano de 165 a.C. Por isso, a mensagem da Festa de Chanucá focaliza a restauração da soberania e da proteção dos valores e costumes praticados.

O Milagre

Quando finalmente estavam livres do domínio dos inimigos, os Macabeus dão início à purificação do Templo, em Jerusalém. O início da cerimônia foi em 25 de Kislev, no ano de 162 a.C., através da consagração de um novo altar, já que o antigo havia sido profanado por conta do sacrifício dos porcos. O chamado ner tamid (fogo eterno) foi novamente aceso na Menorá, o candelabro de sete pontas do interior do templo. Porém, o óleo de oliva que havia era para apenas um dia e levaria no mínimo uma semana para se preparar mais óleo.

No entanto, por um milagre divino, o fogo da Menorá continuou queimando por mais oito dias templo suficiente para a preparação de mais óleo. Tanto a vitória do exército dos Macabeus, como a queima do óleo por oito dias, são considerados por rabinos como um milagre. Desde então, a data passou a ser comemorada pelos judeus.

FacebookTwitterWhatsApp

COMENTÁRIOS