Um alerta contra o comunismo no Brasil

Por conta da inércia da Igreja, o comunismo poderia ser implantado e uma ditadura totalitária seria imposta no Brasil.

FONTE: GUIAME, JOEL ENGEL

ATUALIZADO: 2 de outubro de 2018

FacebookTwitterWhatsApp

Imagem ilustrativa. Um alerta contra o comunismo no Brasil. (Foto: Reprodução)

No ano de 1989, Deus falou comigo através de um sonho, me mostrando o Brasil sendo dominado pela ideologia comunista. Naquele sonho os comunistas perseguiam meu filho mais velho, enquanto eu clamava por Deus. O percentual de evangélicos no país era muito baixo e já havia um temor entre as principais lideranças sobre um possível “ateísmo comunista” implantado na nação.

As eleições daquele ano aconteceriam em 15 de novembro, e os principais candidatos à presidência foram: Fernando Collor de Mello (PRN, atual PTC), Luís Inácio Lula da Silva (PT), Leonel Brizola (PDT), Mário Covas (PSDB) e Paulo Salim Maluf (PDS). No total, foram 22 candidatos concorrendo a Presidência da República com 22 candidatos a vice-presidente do Brasil que concorreram na eleição.

Em meu sonho, Luís Inácio Lula da Silva (PT) estava em um palanque, cercado por homens armados, soldados do exército do comunismo que estavam financiando a sua campanha. No momento que eu clamava, Deus falou comigo dizendo que aquilo estava acontecendo porque a Igreja havia falhado e a culpa era dos líderes, pois não estavam ensinando a Igreja a se comportar como um exército a fim de conquistar a nação para Jesus.

Por conta da inércia da Igreja, o comunismo era implantado e uma ditadura totalitária era imposta no país. O Senhor estava me mostrando que através do Partido dos Trabalhadores (PT) essa ideologia estava entrando no Brasil e dominaria a América Latina. A passividade da Igreja e a divisão das denominações havia criado o cenário perfeito para implantar o comunismo.

O sonho que tive também revelava que eles atuavam de forma a ocupar as praças, ensinando sobre seus ideias e combatendo a cultura judaico-cristã. Eles se uniam para conquistar novos adeptos, avançando de casa em casa, enquanto a Igreja não fazia isso, mas estava dividida, não se unia para influenciar na sociedade.

Eu perguntei ao Senhor, diante daquela situação catastrófica, o que nós poderíamos fazer para mudar aquilo. Ele me disse para ensinar o povo de Deus a guerrear em oração, intercedendo 24 horas por dia, sete vezes por semana, estudando a Palavra de Deus, ensinando o que está por trás dos governos que tentam conquistar as nações.

Nós deveríamos nos preparar para combater a ideologia de Karl Marx, deveríamos orar contra os principados e expor a forma como os pensamentos socialistas poderiam prejudicar a nossa nação. Principalmente em relação à liberdade de culto e os costumes morais que são defendidos pelo cristianismo.

Essa ameaça pode ser vista claramente no Manifesto Comunista, onde a negação da crença e o incentivo a perversão da moral é claramente defendido, em total oposição ao cristianismo e seus valores.

Por exemplo, no tratado escrito por Karl Marx e Friedrich Engels: “Mas o comunismo quer abolir estas verdades eternas, quer abolir a religião e a, moral, em lugar de lhes dar uma nova forma e isso contradiz todo o desenvolvimento histórico anterior” (Das Kommunistische Manifest – Karl Marx e Friedrich Engels).

O Senhor também me mostrou sobre as ofertas, onde eu via Lula batendo de porta em porta nas metalúrgicas, naquela época ele pedia uma oferta de 100 cruzeiros para cada metalúrgico e todos eram unânimes em contribuir. Foi quando Deus me falou para fazer isso na Igreja para ver o que aconteceria.

Quando eu fiz isso na minha igreja em Sobradinho, pedindo quatro pneus, sendo que cada um custava Cr$ 100, houve um silêncio. No momento em que alguém finalmente se levantou para ofertar, uma pessoa endemoniada, que rodopiava em um pé só em uma velocidade incrível e gritava na tentativa de impedir aquela oferta.

Com isso, o Senhor me mostrou sobre a fragilidade de nossas igrejas, que estariam sendo dominadas por este espírito do comunismo. Na época que Deus me mostrou esse principado, eu iniciei um jejum que durou 40 dias, somente com água.

Após 39 dias de jejum, na última noite, Deus falou comigo que se eu visse o sol nascer, então ele nos daria vitória. Pelejamos a noite toda para permanecer firmes e ver o nascer do sol. Quando ele finalmente apareceu, o Senhor decretou a nossa vitória.

Portanto, se nós como Igreja nos colocarmos em oração e em luta contra essa ideologia, Deus também nos dará vitória. Ele vai nos ajudar a vencer todos os desafios, impedindo que nosso país seja influenciado por pessoas que não tem temor ao Seu nome.

Por Joel Engel, pastor, líder do Ministério Engel, em Santa Maria (RS) e fundador do Projeto Daniel, que ajuda crianças órfãs em países da África.

 

FacebookTwitterWhatsApp

COMENTÁRIOS