A importância do voto com Deus

A palavra ‘voto’ vem do hebraico “neder”, que significa fazer uma oferta com propósito específico.

FONTE: MINISTÉRIO ENGEL

ATUALIZADO: 10 de julho de 2018

FacebookTwitterWhatsApp

“E falou Moisés aos cabeças das tribos dos filhos de Israel, dizendo: Esta é a palavra que o Senhor tem ordenado. Quando um homem fizer voto ao Senhor, ou fizer juramento, ligando a sua alma com obrigação, não violará a sua palavra: segundo tudo o que saiu da sua boca, fará.” (Números 30.1 e 2)

Moisés começa a ensinar ao povo sobre a importância de se votar diante de Deus. A palavra “voto” vem do hebraico “neder”, que significa fazer uma oferta com propósito específico. Este tipo de propósito deveria ser declarado em voz alta, diante do Senhor. Desta forma, Deus conduziria a bênção de acordo com o voto.

Quando alguém faz um voto, está empenhando a própria vida para cumprir o propósito. Temos duas palavras em hebraico que revelam a necessidade de se levar a sério o cumprimento do voto feito: alma e palavra.

A palavra alma em hebraico é “nepesh” que significa “alma, vida, pessoa, mente”. Ou seja, a vida da pessoa está empenhada naquela declaração, sendo que por isso haverá o cumprimento do propósito. E a segunda palavra hebraica é “dabar” que significa “falar, declarar, conversar e prometer”.

Veja que a declaração de um voto é algo consciente. Por não ser impensado, logo o homem liga a sua própria alma ao voto, através da sua declaração consciente. Assim também é na vida espiritual.

Houve uma grande crise nos EUA, onde a Bolsa de Valores quebrou, e o presidente na época, Abraham Lincoln, fez um voto de serem dizimistas fiéis. Ninguém comeu e nem acendeu fogão naquele dia. A partir desse voto os EUA voltaram a crescer e se tornaram uma grande potência.

O mesmo aconteceu com um personagem que conhecemos bem: Jacó. Fugindo de sua casa, ao chegar ao deserto, ele se viu cansado, então fez de uma pedra seu travesseiro. Ali ele teve uma visão, que entendeu tratar-se de uma manifestação divina. E nesta ocasião ele toma uma posição importante.

Assim, aproveitando aquele portal aberto, ele faz um voto a Deus: “E Jacó fez um voto, dizendo: Se Deus for comigo, e me guardar nesta viagem que faço, e me der pão para comer, e vestes para vestir; e eu em paz tornar à casa de meu pai, o Senhor me será por Deus; e esta pedra que tenho posto por coluna será casa de Deus; e de tudo quanto me deres, certamente te darei o dízimo” (Gênesis 28.2 – 22).

Jacó faz um voto de ser um dizimista fiel, e dar ao Senhor o dízimo de tudo quanto lhe fosse concedido durante aquela jornada. A partir do voto, Jacó vai enfrentar uma longa caminhada na vida, e quando chega o momento de Deus o prosperar, um anjo é enviado para mostrar a Jacó como ele deveria fazer, pois todos os que votam ao Senhor o próprio Deus vai ao seu auxilio para que ele prospere dentro do propósito.

Votar ao Senhor é algo muito sério, por isso a palavra dessa semana nos ensina que, se votarmos e tardarmos em cumprir, ou não cumprirmos, pode ocorrer o contrário do que estamos buscando.

Em Malaquias 3.5, Deus diz que seria veloz contra os feiticeiros, mostrando que os dizimistas receberiam a quebra das feitiçarias. O voto não é só o valor, mas toda a sua vida empenhada. Quando não se cumpre e falha-se, então Deus não irá liberar o que foi proposto no voto, porque quebramos o que havíamos prometido.

Não cumprir o voto pode significar trazer sobre nossas vidas o contrário do que estamos buscando, o que mostra que o voto precisa ser cumprido integralmente.

Por esse motivo existem muitos cristãos fervorosos, cheios de unção, mas com a vida financeira completamente destruída. Da mesma forma, o contrário também existe: o cristão pode estar com a vida espiritual ruim, mas cumprir os princípios dos votos e prosperar. Por exemplo, o dízimo deve ser o primeiro valor retirado do salário ou do bem, porque o primeiro deve ser dado ao Senhor.

Moisés está deixando claro a necessidade de se votar e se cumprir o que se votou. Até mesmo Salomão nos advertiu sobre o voto, afinal, ele mesmo já tinha muitas experiências de prosperidade e de despojos conquistados:.

A Palavra de Deus diz: “Quando a Deus fizeres algum voto, não tardes em cumpri-lo; porque não se agrada de tolos; o que votares, paga-o” (Eclesiastes 5.4).

Essa é a semana de revermos os votos que fizemos ao Senhor, e segundo Levíticos 27, devemos cumprir os nossos votos com o acréscimo de vinte por cento, para resgatar o tempo perdido, então, todas as bênçãos que ficaram retidas até hoje, serão liberadas.

 

FacebookTwitterWhatsApp

COMENTÁRIOS