EUA e Israel, unidos no governo Trump

FONTE: Ministério Engel

ATUALIZADO: 22 de janeiro de 2017

FacebookTwitterWhatsApp

E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra. (Gênesis 12:3)

“Quando eu for presidente, os dias em que Israel foi tratado como um cidadão de segunda classe se encerrarão”. Essa foi uma das frases emblemáticas pronunciadas por Donald Trump, durante a sua campanha à Presidente dos Estados Unidos. Nessa mesma época, ele se reuniu com o premiê israelense, Benjamin Netanyahu, e prometeu que reconheceria Jerusalém como a capital “unificada” de Israel, caso fosse eleito. Não foi à toa que, contrariando todas as pesquisas, o empresário nova-iorquino venceu as eleições presidenciais em novembro de 2016, pelo Partido Republicano. Evidentemente a bênção do Rei Supremo, Deus de Israel, estava com ele.

Logo depois de assumir seu lugar na Casa Branca, no próximo dia 20 de janeiro,Trump cumprirá o que prometeu e haverá mudanças no cenário político e econômico, pelo poder do Altíssimo, uma vez que Ele mesmo afirmou em Gênesis 12:3 que iria abençoar àqueles que abençoassem aquela nação, tão amada pelo Senhor, e por isso tão perseguida.

Na história dos EUA, sempre houve cristãos que ajudaram os judeus durante a guerra e isto está registrado no museu Friends of Zion “Amigos de Sião”, localizado em Jerusalém. Os nomes de vários norte-americanos, inclusive alguns presidentes, compõem a parede estrelada, logo no saguão de entrada da instituição, ou são citados durante a visita histórica. Além disso, os Estados Unidos defenderam a partilha da Palestina histórica em um Estado judaico e outro árabe na votação da ONU, o que culminou na criação do Estado de Israel em 1947.

Porém algumas personalidades quebraram essa relação harmoniosa. Foi o caso do ex-presidente Barack Obama. Durante o período em que comandou a maior potência mundial, o líder passou por crises econômicas e problemas com o terrorismo, um reflexo da falta de apoio e repulsa à Israel.

Então, essa virada que está para acontecer nos Estados Unidos com o apoio total de Trump à Israel, nos coloca em um momento histórico muito importante, onde veremos novamente as bênçãos seguirem os Estados Unidos e isso trará reflexos para todo o mundo.  

* As opiniões aqui expressas são de exclusiva responsabilidade do autor do texto e não refletem necessariamente o posicionamento oficial do Portal Guiame.

FONTE: GUIAME, JOEL ENGEL

 

FacebookTwitterWhatsApp

COMENTÁRIOS