• Facebook
  • Twitter
  • Rss
  • Plus
Ministério Engel

O dízimo e as promessas de Deus

Fev 09
Avalie este item
(0 votos)

Abraão terá um dos encontros mais enigmáticos de todos os tempos. Uma pequena guerra se finda, e ao tomar o caminho de casa ele terá uma surpresa, o rei de Salém lhe sairá ao encontro e lhe surpreenderá:

“E Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; e era este sacerdote do Deus Altíssimo.” Gênesis 14:18

Melquisedeque sai ao encontro de Abraão lhe recepcionando com pão e vinho. O rito do pão e vinho, também conhecido por nós por usarmos na ceia do Senhor como fonte para termos ligação com o próprio Senhor Jesus e ter parte no seu reino, tem um significado maior do que pensamos. Melquisedeque receber Abraão com pão e vinho significava boas vindas, mas, para a ordem sacerdotal. Abraão ao encontrar-se com o rei sacerdote está recebendo em ato profético a responsabilidade da cobertura sacerdotal, que um dia seria manifesto em Levi. Mas segundo alguns historiadores esse rito sacerdotal tem uma continuação. Abraão que fora recebido debaixo da cobertura e ensino de Melquisedeque, passará agora a participar da cerimonia completa, onde um cordeiro era ofertado por Abraão (possivelmente segundo os historiadores). O cordeiro fica disposto no altar, e logo após o rito, Melquisedeque irá abençoar Abraão:

“E abençoou-o, e disse: Bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, o Possuidor dos céus e da terra; E bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos [...]” Gênesis 14:19,20

Abraão é consolidado pela benção, uma unção nova vem sobre sua vida pela vida do que podemos dizer que seria seu mentor, seu pai espiritual, aquele que Deus usou para abrir uma nova fase em sua vida. Após Abraão ser abençoado ele terá uma ação voluntaria, pois ele reconheceu sobre a vida de Melquisedeque a S’mikhah (autoridade dada por Deus para autorizar), e ele lhe entregará o dizimo:

“[...] E Abrão deu-lhe o dízimo de tudo.” Gênesis 14:20

A redundância tudo no versículo faz indicação não apenas aos despojos de guerra, mas também a tudo quanto tinha. Uma entrega total, na verdade em ato profético, o dizimo entregue por Abraão era um resgate pela terra de Salém que futuramente seria a cidade do Grande Deus, Jerusalém.

Naquele dia que Abrão entregou o Dízimo o Rei e sacerdote Melquisedeque preparou uma festa muito animada, com Louvores e danças na Presença de Deus. Segundo a história oral Melquisedeque colocou uma coroa a cabeça de Abrão e lhe ungiu com óleo recebendo-o como rei e sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque. Ali Abrão recebi a unção de Rei e sacerdote. A unção de Rei lhe dá poder de domínio geográfico e o poder de adquirir riquezas, enquanto que a unção sacerdotal lhe dá poder para entrar nas cortes celestial como intercessor. A partir deste momento Abrão torna-se outro homem e já no próximo capítulo (Gn 15) ele tem uma das mais poderosas experiências com Deus, recebendo revelações proféticas do que iria acontecer no futuro com sua família. Abrão agora é um profeta de Deus e caminha livremente tanto na terra como nas regiões celestiais. Tudo isto veio depois que ele consagra o Dízimo de tudo e o entrega Melquisedeque, que era agora a sua cobertura espiritual.

O dizimo é uma revelação profunda, pois quando vemos Malaquias dizendo que o dizimo repreende o devorador, quer dizer que entregar o dizimo destrona o príncipe das trevas que domina e amaldiçoa a geografia que estamos, então o dizimo é o pagamento pelo arrendamento, pois a palavra diz que “a terra é do Senhor e toda a sua plenitude...”(Salmo 24.1), logo, após a queda do homem, o homem trabalha na terra, come do fruto da terra, mas a terra não é mais sua como em Gn. 1.26, o homem agora paga impostos pela terra.

Depois da queda o homem perdeu a cobertura de Deus e a terra tornou-se amaldiçoada, sem vida, sem chuva com o príncipe da miséria dominando sobre ela trazendo pobreza doença e morre para o homem. Foi aí que Deus começa levantar homens que serão sacerdotes Ungidos que funcionarão como país espirituais e darão cobertura espiritual para outros. Homens como Sem, Enoque e depois Abrão por onde andavam a chuva os acompanhava. É por isso que diz que Isaac plantou em uma terra em tempo de seca e colheu cem vezes mais, pois onde ele plantava Deus mandava a chuva regar a terra. Este é o sinal da cobertura de Deus: O céu está conectado com a terra outra vez como nos tempos de Adão. Está é a unção que estava em Melquisedeque e após Abrão entregar o Dízimo está unção passa para ele e seus descendentes.

Mas onde entregamos o imposto pela terra e pelo domínio da geografia que estamos? Para nossa cobertura, para os pastores que cuidam de nossas vidas, para homens que Deus separou para nos apresentar a ele, assim como está escrito:

“E aqui certamente tomam dízimos homens que morrem; ali, porém, aquele de quem se testifica que vive.” Hebreus 7:8

São homens que morrem, porém não são homens comuns. Homens separados por Deus, homens que representam a Deus, homens que segundos os sábios: são representantes do Altíssimo, e com isso nos trazem os sábios essa tônica:

O representante tem semelhança em si do seu representado em gênero, numero e grau, logo, honrar o representante é honrar diretamente o representado.

Assim, quando Abraão reconheceu a autoridade de representante que Melquisedeque tinha, aceitou seus ensinos e sua cobertura, logo o honrou com o dizimo, Abraão está dizendo a Melquisedeque: reconheço que você reflete Deus, e te honrando eu honro a Deus.

De fato, se formos fieis aos que representam Deus para nossas vidas, estaremos honrando a Deus nas pessoas do que o representam, mas o contrario também é verdadeiro: se desonrarmos nossos pastores, nossas coberturas, nossos mentores, os representantes de Deus sobre nossas vidas, logo estaremos desonrando a Deus, perdendo a benção, dando espaço ao príncipe das trevas e amaldiçoando nossas vidas.

O segredo do dizimo está em compreender o seu porque e para quem devemos entregar, assim poderemos: subir de nível, receber ativações que partem da vida do pai espiritual (Rm. 1.11), prosperar, aumentar nossa intimidade com Deus, e enfim, cumprir os preceitos do Senhor, abençoando toda nossa família e todos a nossa volta.

Abrão tinha promessas de Deus em sua vida, e Melquisedeque abençoou ao que tinha  as promessas.

"Mas aquele cuja genealogia não é contada entre eles, tomou dízimos de Abraão, e abençoou ao que tinha as promessas." Hebreus 7:6

Uma das promessas que Deus fez a Abrão é que ele herdaria a terra de Israel. Quando Abrão entregou o Dízimo ele estava selando as promessas. A entrega do dízimo selou a escritura da terra e Jerusalém torna-se herança dos filhos de Abrão até hoje.

Todo dia 10 de cada mês nós separamos um tempo em consagração para receber e abençoar os dízimos e ofertas que são enviadas para nosso ministério. Neste dia eu aconselho que cada Dizimista ou ofertante também se consagre para buscar a Deus em adoração, e apresente seus pedidos e as promessas que Deus lhe fez.

Como sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque nós vamos abençoar aquele que tem promessas de Deus.

Mais informações pelo WhatsApp 055 99748874

Fonte: www.ministerioengel.com

Tagged sob dizimo    joel    engel    Promessas    Deus   
Publicado em Gospel
Última modificação em Sexta, 09 Fevereiro 2018 11:53

Agenda de Eventos

Fevereiro 2018
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28